Vista aérea da região de Brumadinho: A área atingida pelos rejeitos, em imagem feita pelo Corpo de Bombeiros de Minas
Área atingida pelos rejeitos, em imagem feita pelo Corpo de Bombeiros de Minas.
Uma barragem se rompeu no começo da tarde desta sexta-feira, no município de Brumadinho, que faz parte da zona metropolitana da capital mineira, Belo Horizonte.
Em nota divulgada no começo da tarde, a mineradora Vale disse que os rejeitos liberados pela barragem atingiram a área administrativa da empresa no local, conhecido como Mina Córrego do Feijão. A lama também teria atingido parte da comunidade da Vila Ferteco, nas proximidades.
Segundo a empresa, ainda não há confirmação sobre feridos no local - mas imagens feitas no local do acidente mostram pessoas sendo resgatadas na lama, com a ajuda de helicóptero.
"A Vale acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens. A prioridade total da Vale, neste momento, é preservar e proteger a vida de empregados e integrantes da comunidade", diz a nota.
O governo de Minas Gerais disse que a Defesa Civil do Estado já enviou uma equipe para o local, com o objetivo de ajudar no resgate das vítimas - ainda não há estimativa sobre o número de pessoas atingidas.
O batalhão do Corpo de Bombeiros mineiro em Brumadinho enviou dois helicópteros para o local.
A prefeitura de Brumadinho orientou os moradores da cidade a não se aproximar do leito do Rio Paraopeba, próximo à área atingida pelo desastre.
O museu privado a céu aberto de Inhotim, que também fica na região, anunciou que estava evacuando suas dependências como medida preventiva.
Segundo o hospital municipal de Brumadinho, até cerca das 14h, nenhuma vítima havia sido levada para o local, mas a estrutura estava sendo preparada para a emergência.

Há três anos, outra tragédia

Em novembro de 2015, outra barragem da Vale, na região de Mariana, também em Minas Gerais, se rompeu, matando 19 pessoas, destruindo totalmente três distritos - Bento
Rodrigues, Paracatu de Baixo e Gesteira, esta última a 60 km de Mariana - e deixando milhares de pessoas desalojadas.
Administrada pela Samarco, a barragem de Fundão liberou 34 milhões de metros cúbicos de rejeito de minério, que desceram 55 km pelo rio Gualaxo do Norte até o Rio do Carmo e outros 22 até o Rio Doce.
A avalanche de lama percorreu 663 km de cursos d'água e atingiu 39 municípios em Minas Gerais e no Espírito Santo - o maior desastre ambiental do país.

fonte: BBC News

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.
Topo