Quem já passou dos 60 anos ou quem convive com pessoas idosas já deve ter observado que a incidência de insônia é maior nessa fase da vida.

Um estudo realizado pelo Instituto Nacional do Envelhecimento dos Estados Unidos, com mais de 9 mil americanos com 65 anos ou mais, revelou que mais da metade contou ter dificuldade para dormir ou permanecer dormindo.

O médico geriatra Gustavo Genelhu explicou que, enquanto os adultos jovens são acometidos pela insônia inicial (dificuldade de iniciar o sono), os idosos enfrentam problemas para manter o sono, apresentando despertares frequentes durante o repouso.

“O motivo pelo qual os idosos são mais propensos à insônia é pelo fato de estarem mais expostos a situações que causam o que chamamos de insônia secundária, aquela que se deve a algum fator identificável. Na maioria das vezes, a insônia está relacionada a alguma doença clínica, hábito ruim ou doença psiquiátrica”, esclareceu.

O abuso de substâncias psicoativas, consumo excessivo ou abstinência de álcool, obesidade, doenças cardiovasculares, hormonais, apneia obstrutiva do sono e doenças psiquiátricas (em especial os transtornos do humor e ansiedade) são algumas causas relacionadas à insônia.

Segundo Genelhu, até 80% dos pacientes com insônia podem atenuar ou resolver o problema sem a necessidade de remédios, buscando apoio psicológico em situações específicas, fazendo atividade física e adotando uma boa alimentação.

Evitar ingerir cafeína após as 17 horas, combater a obesidade e tratar as doenças cardiovasculares são outras medidas.

O médico Gustavo Genelhu ressaltou, no entanto, que alguns sintomas alertam para a necessidade de buscar ajuda médica. “Acordar cansado, roncos noturnos, irritabilidade e sonolência diurna, queda do rendimento físico e no trabalho devem ser avaliados por um especialista”, destacou o geriatra.



Dicas para ter um sono de qualidade

-O quarto de dormir deve ser silencioso, escuro e com temperatura
agradável;
- Ter um horário relativamente uniforme para deitar e levantar;
- Não realizar exercícios extenuantes imediatamente antes de deitar;
- Não ingerir bebidas alcoólicas imediatamente antes de deitar;
- Não ingerir bebidas que contenham estimulantes ou cafeína (chá
preto, café, colas) após o anoitecer (ou antes desse horário no caso de
uma maior sensibilidade individual);
- Evitar o uso do tabaco após o anoitecer;
- Não ouvir música, ver programas de TV, filmes ou realizar leituras que
excitantes, próximos ao horário de dormir;
- Não falar ao telefone, assistir televisão ou fazer refeições na cama;
- evitar o uso crônico de medicações para a insônia;
- evitar longas sestas ou minimizar os cochilos diurnos.
A estrategia farmacologica deve ser individualizada junto com medico de sua confiança.