Uma barragem particular que ameaçava se romper foi esvaziada em Santa Leopoldina, na região serrana do estado. Segundo a Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), a represa se encontra em situação irregular. Caso ela se rompesse, cerca de 6 milhões de litros de água seriam liberados de uma só vez. 
A barragem fica na comunidade de Holanda, no interior do município, onde, na última quinta-feira (14), uma casa foi soterrada, provocando a morte de Fabrício Caus, de 48 anos, e do filho dele, Lorenzo, de 6 anos. A esposa de Fabrício e mãe de Lorenzo, Fernanda Norte, precisou ser internada.
Na segunda-feira, a barragem começou a ser esvaziada, por determinação da Defesa Civil municipal e da Agerh. Segundo a agência, depois desse trabalho emergencial, uma equipe de fiscalização irá até o local fazer uma vistoria e tomar as medidas cabíveis.
Ainda em Santa Leopoldina, 24 moradores de um morro localizado no centro da cidade foram orientados a sair de suas casas, na noite de segunda-feira. O motivo é que, segundo a prefeitura, o barranco ficou encharcado devido às fortes chuvas que atingem o município, aumentando o risco de deslizamento de terra.
As famílias foram acomodadas no prédio do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de Santa Leopoldina, também no centro. "Achamos melhor chamarmos a Defesa Civil, reunida junto com a Assistência Social e com o Ministério Público, e fazer uma reunião de conscientização das famílias sobre o risco de vida que eles vêm mantendo com esse período chuvoso", destacou o secretário de Assistência Social do município, José Ronildo.
Já as duas escolas municipais que receberam desabrigados na última semana já foram liberadas para as aulas. Não há mais famílias acomodadas nesses colégios, segundo a prefeitura.
O drama delas, no entanto, continua. A Prefeitura de Santa Leopoldina pede a colaboração da população menos afetada pelas chuvas, que pode ajudar por meio de doações.
"Nós temos muitos problemas ainda de cesta, problemas de colchões. Esses dois são os que mais atacam, porque [as pessoas] perderam muitos alimentos de casa, principalmente no interior, além de colchões e kits de limpeza. Quem puder ajudar a Secretaria de Assistência Social, o telefone é 3266-1010. Nós estamos à disposição o dia todo. Até às 18 horas tem gente de plantão que recebe. Nós precisamos mesmo", pediu o secretário.