Chamar o transporte, pedir comida, trabalhar, se divertir, marcar consultas, pagar contas, jogar, conferir redes sociais, ler periódicos. É fato que todos estamos cada vez mais conectados e dependentes da internet para as atividades do dia a dia. Isso porque, na chamada era pós-digital, a transmissão de dados nem mais é percebida pela maioria das pessoas, a não ser que ela falte. Para alguns públicos específicos, como os e-gamers, jogadores virtuais, e os usuários de rede sociais – em especial os influenciadores digitais profissionais –, essa necessidade é ainda maior, o que tem feito a demanda por pela chamada internet de alta velocidade ou ultrarrápida aumentar consideravelmente.
De acordo com Renato Souza, especialista em Tecnologia da Loga Internet, provedora de internet por fibra óptica em vários municípios do Espírito Santo, o serviço de transmissão de dados em altíssima velocidade e sem interrupções é vital para vários tipos de negócios e também tem atraído cada vez mais pessoas físicas. "Hoje a internet por fibra óptica até a casa do cliente está em somente 10% dos usuários brasileiros, mas a tendência é esse número crescer exponencialmente nos próximos anos", relata.
Renato ainda destaca a necessidade crescente de conectividade em shows, palestras e eventos diversos. "Hoje, todo espaço de entretenimento potencializa seus resultados oferecendo uma internet de qualidade. Mas para atender as milhares de pessoas reunidas e conectadas ao mesmo tempo, é preciso um serviço robusto", explica.
Internet não é tudo igual
A chamada internet ultrarrápida não é a mesma usada tradicionalmente pela maioria dos usuários. A solução passa pela fibra óptica em FTTH (Fiber To The Home), que chega direto no modem do cliente. Na comparação, a internet tradicional se difere da internet ultrarrápida por utilizar a fibra óptica somente até determinado ponto da rede. Depois, o cabeamento é feito por meio de cabos de cobre até a casa do usuário, de onde geralmente se originam as interferências de entrega do serviço.
Constituída de filamentos de vidro ou polímeros, a fibra óptica processa informações na velocidade da luz, convertendo energia luminosa em energia elétrica ou sonora. Isso graças aos materiais que as compõem com características dielétricas imunes a qualquer interferência eletromagnética. Logo, por mais 'ruidoso' que seja o ambiente de instalação, o tráfego de sinais é garantido.
Como o material que envolve a fibra óptica proporciona isolamento elétrico ao próprio cabo, não existe necessidade de aterramento. Além disso, como não há condução de corrente em um cabo óptico, problemas como curto-circuito, faiscamento e choques elétricos não acontecem. O resultado disso é a geração de dados em grande volume, com altas velocidades de transmissão de imagens, dados e voz com estabilidade, grande disponibilidade, confiabilidade e sem interferências.







--