O Hospital Evangélico de Vila Velha criou o Conselho Consultivo integrado por pacientes; objetivo é aprimorar o atendimento

Portas abertas para ouvir as experiências daqueles que vivenciam a rotina e conhecem cada detalhe de como é estar no ambiente hospitalar: os pacientes. Em uma proposta de escuta ativa para estreitar os vínculos e estimular ações de melhorias, o Hospital Evangélico de Vila Velha (HEVV) colocou em prática o Conselho Consultivo.

Instituído no ano passado com a intenção de viabilizar um canal de comunicação diferenciado com os pacientes. Além de representantes dos pacientes, o Conselho Consultivo conta com a participação dos membros do Comitê Administrativo e Assistencial do HEVV, e se reúne a cada três meses. O objetivo é ampliar a troca de experiências entre lideranças da instituição e os pacientes.

Nos últimos quatro anos, o hospital tornou-se a extensão da casa da autônoma Renata Pitanga, de 51 anos, que acompanha a mãe no tratamento de problemas renais. “Recebi o convite com uma grata surpresa. Podemos compartilhar nossas experiências, o que observamos de problemas e apresentar propostas”, conta.

A autônoma acredita que os resultados vão surgir nos próximos encontros, previstos para acontecer ainda no primeiro semestre deste ano. “Será muito produtivo, já que a ideia não é apenas ouvir, mas colocar em prática tudo que foi discutido. Estamos com expectativas”, revela Renata.

Representante do HEVV no Conselho Consultivo, Camyla Bastos, se orgulha do projeto. “A iniciativa faz parte do Programa da Experiência do Paciente e foi criada para que os pacientes tenham mais um espaço de acolhimento e escuta, por meio de um canal aberto de comunicação com a instituição. Conhecer a percepção do paciente sobre os serviços que prestamos é um direcionador muito assertivo, uma vez que nos permite saber aquilo que realmente importa para os usuários. É uma forma de estreitar laços e proporcionar oportunidades de melhoria”, disse ela.

Como participar - A proposta é colaborativa e o paciente ou familiar interessado pode participar voluntariamente, desde que seja maior de 18 anos e não tenha vínculo direto com a instituição. A seleção é realizada através de um pré-cadastro e as informações fornecidas são mantidas em sigilo.